terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

VI - 1ª Parte

Estou sentado a observar vícios e pessoas, fundidos. Existem luzes e cores em várias direcções, mas para mim é tudo negro. Sinto-me tonto e farto de estar em pé neste lugar, vasto de tédio.
Enquanto brinco com o meu isqueiro, no meu carismático "abrir e acender, fechar. Abrir e acender, fechar...", divirto-me a observar o autentico Reality Show onde, em primeira pessoa, posso encontrar tantas personagens quanto controvérsias e enredos.
Como o rapaz lá ao fundo: a quantidade de gel que o seu cabelo aparenta traz a notoriedade de que se preocupa com a sua imagem; tal como a forma como constantemente ajeita a blusa para que esta não se sobreponha à fivela do cinto, não vá a brilhante e reluzente insígnia D&G passar despercebida à rapariga a quem ele olha de soslaio, segundo a segundo.
Não muito distante, está outro rapaz. Este demonstra a sua irreverência e juventude pela forma como faz um pouco de mosh no meio do bar a ouvir "Ava Dore" e levantando bem alto uma garrafa de cerveja como se estivesse num concerto ao vivo. O seu círculo de amigos demonstra a mesma atitude: inconsciente, jovem, despreocupada, viva!
Perto desse círculo está uma rapariga, sorridente e calma, mesmo no meio de toda a agitação. Ela retira o telemóvel do bolso para o desbloquear; depois, olha para o ecrã, e por alguns segundos o sorriso dela desaparece, dando lugar a um olhar infinito e perdido. Finalmente, coloca-o de novo no bolso e retoma o sorriso que a ajuda a passar despercebida no meio da multidão.
Por sua vez, a rapariga está ao lado de um grupo de miúdas que gritam e saltam fernéticamente como se tivessem descoberto pela primeira vez que existe mais na vida do que Morangos com Açúcar, MSN e Hi5. E no meio delas está provavelmente a mais popular de todas, que se destaca pela forma como as outras se inclinam sobre ela cada vez que ela fala; ou como olham entusiasmadas cada vez que ela aponta; ou simplesmente pela forma como raramente parece ligar ao que as outras dizem...
O divertido nisto é que a rapariga popular aponta constantemente para o rapaz do gel, indicando o seu interesse mas, porém, falta de coragem em lá ir e confrontá-lo. O rapaz do gel continua a tentar chegar perto da rapariga que ainda gala, sem saber que bem perto, ainda no seu pequeno mosh e de garrafa no ar, está o seu namorado - coisa que concluí à entrada do bar, ao vê-los sempre de mão dada chamado-se "amor" mutuamente. E finalmente, a rapariga do telemóvel talvez não estivesse tão só se o desligasse e olhasse 90º à sua direita, onde um rapaz deixa soltar um olhar bastante apaixonado sobre ela.



(Pensei que este 'mundo' de blogosfera fosse diferente, vocês têm sido espectaculares.
Obrigado aos conselhos e às opiniões.)




42 comentários:

  1. vc que é espetacular com suas crônicas, gentil e educado.

    sim sim os desencontros,
    acontecem

    >)

    ResponderEliminar
  2. mas agora quero saber mais :(
    viciei-me!
    não vais demorar tantos dias pois não?

    kiss :)

    ResponderEliminar
  3. Bonito texto descritivo!

    Gostei da oposição entre sentimento/superficialidade, verdade/aparência.

    Esse é a grande problema da sociedade, está decadente, olvidou o verdadeiro sentido da vida...

    Eu pessoalmente sou uma pessoa transparente, não consigo abster os meus sentimentos de atitudes, eles reflectem-se em tudo o que faço; começo a achar que caminho na época errada.

    O romantismo desapareceu para dar lugar à vulgaridade.

    Nesta descrição momentânea identifico-me com tudo, até podia ser um texto meu, assisto a este mesmo ritual todas as vezes que vou a um bar, discoteca...

    Clica aí no meu nome e dá um salto ao meu espaço.

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. descreveste tão bem que é como se estivessemos presentes a observar cada detalhe que enumeras.

    ResponderEliminar
  5. ao ler-te sinti-me a visualizar td a situaxao e fikei kuriosa =).... km é k ist akaba?... sera k o rapaz km gel, a rapariga pupolar, o rapaz irreverente e a rapariga sorridente abrem realmente os olhos e deskobrem os amores k diskretamente ali s formam????
    bjs bjs

    ResponderEliminar
  6. Gosto de como vc escreve...
    Sempre tão leve...
    Delicioso vir aqui...


    Beijos avassaladores

    ResponderEliminar
  7. Mas pessoal L. Malloy, você também está sendo um espectador, quando você via contar algo com protagonizando?

    Muito bom texto.

    Fique com Deus, pessoa L. Malloy.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Gosto muito da maneira como tu escreve simples e com uma linguagem em que a gente consegue entender, continua assim.

    Bjs e fica com Deus.

    ResponderEliminar
  9. Simplesmente me visualizei em um cantinho do bar olhando toda esta cena passar!

    Que texto delicioso!

    ResponderEliminar
  10. Flores para você

    Para você enfeitar o seu dia,

    lhe trazer mais alegria

    mais paz a cada minuto.

    Flores

    Para você pensar na vida com mais carinho,

    e não se esquecer que por você

    carrego o sentimento mais sublime:

    A amizade!

    ResponderEliminar
  11. Tem selinho da "Proximidade" la para vc.

    beijooo.

    ResponderEliminar
  12. Adorei a caracterização que fazes das pessoas através de uma atenta observação. Demonstra uma sensibilidade espeial. Pequenos gestos, pequenos sinais dizem muito de cada um. Mas nem sempre são perceptiveis. Nem todos têm a capacidade de fazer essa observação. Continua assim.

    ResponderEliminar
  13. Os anos passam.. mas há coisas que se mantém iguais...:)

    kiss

    ResponderEliminar
  14. Dizes no início do texto que para ti é td negro. Talvez o sintas mas, pensa bem, se fosse assim tão negro não estarias tão atento e observador até aos mais infimos detalhes.

    Inclusivamente, observaste tds as expressões da rapariga que desbloqueia o telemóvel daí resultando uma expressão que, provávelmente, conheces bem... no final, ainda indicas que por estar presa aos seus desejos, ansiedades, não se dá conta do que a rodeia. Talvez e, lá mt no fundo e de alguma forma, te identifiques c ela...

    Fazes uma excelente observação, descreve-la muito bem mas... deixo-te uma pergunta para pensares. Porquê o "ritual" do isqueiro? Os comportamentos repetitivos têm sp um significado. Pensa nele! ;)

    Por fim digo-te que és bom observador. Repara, quem consegue observar tão bem o exterior, tb consegue fazer o mm consigo pp. Custa? Claro!! Mas aprende-se mais alguma coisa que, neste caso, te poderá ajudar.

    Continua!

    Alexandra

    ResponderEliminar
  15. Ainda pensei que se tratasse de uma história ficcional. A lição que tiro daqui é que em qualquer lugar pode estar o amor à espreita.

    ResponderEliminar
  16. magnífico texto...e o mundo da blogosfera é um pouco como o mundo real, onde se encontram pessoas de diferentes características
    beijos

    ResponderEliminar
  17. Fiquei simplesmente fã dos teus textos e passarei por cá sempre que puder.
    Da forma como escreves é como se também eu estivesse numa dessas mesas. A forma como descreves as pessoas diz muito de ti.

    Passa também no meu blog e deixa um comentário.

    ResponderEliminar
  18. Tão bonito este texto! Mais leve que os outros, o que pode demonstrar que ou houve um afastamento dos sentimentos negativos, ou esses tendem a diminuir, ou uma outra hipótese qualquer. É pena é que todos esses promenores significativos passem despercebidos e que esses tais podiam ser essenciais para dar alento a uma nova realidade. Um bom fim-de-semana. Bjs

    ResponderEliminar
  19. Há histórias que nunca se chegam a cruzar... *

    ResponderEliminar
  20. Adorey e espero fielmente uma continuação. ;)

    ResponderEliminar
  21. O texto é tão 'presente'.
    Fiquei com a sensação que estavas lá. E pela a forma da descrição da 'rapariga de telemóvel' até posso concluir que gostaste mesmo dela :)
    Adorei o texto*
    Beijos ^^

    ResponderEliminar
  22. Estou absolutamente sem palavras, os teu texto é simplesmente bom, adoro a maneira como escreves.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  23. A palavra mágica
    dorme na sombra
    de um livro raro.
    Como desencantá-la?
    É a senha da vida
    a senha do mundo.
    Vou procurá-la.
    Vou procurá-la a vida inteira
    no mundo todo.
    Se tarda o encontro, se não a encontro,
    não desanimo,
    procuro sempre.
    Procuro sempre, e minha procura
    ficará sendo
    minha palavra.

    Carlos Drummond

    Lindo domingo!
    abraços

    ResponderEliminar
  24. A gente volta, le mais uma vez!
    A aproveita pra deixar um abraço!
    E um beijo avassalador!

    Boa semana pra ti!

    ResponderEliminar
  25. Um texto descontraído que descreve uma parcela da sociedade em que estamos inseridos.
    Ficarei atenta à continuação!
    Até breve.

    'Pelo Caminho das Fadas

    ResponderEliminar
  26. um bom texto sim...so nao sabemos o foco de sua visao...isso torna sua observaçao vaga e muito sua! queremos participar também!
    vc me pediu e eu vim!!

    ResponderEliminar
  27. lindo texto malloy,como vc escreve bem!um abraço!

    ResponderEliminar
  28. Isto envolve, é como o cheiro do café que aconchega e depois sorves o café e vicias... tou viciada. Muito bem continua!!!

    ResponderEliminar
  29. Oie,
    tem selinhos para vc lá no meu blog passa lá,
    beijos e lindo fim de semana

    ResponderEliminar
  30. E ai pessoa L. Malloy, como estão as novidades? Tudo tranquilo?

    Fique com Deus, pessoa.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  31. Construí um abrigo no deserto da emoção
    Os vales são as ruas de um Deus
    Fecha-se a alegria da terra
    Um último olhar de amor, solto dos olhos teus

    Na noite tudo se perde
    Mora a sombra, o desvario
    A indomável vontade do amor
    Tem a força de um Rio

    Boa semana

    ResponderEliminar
  32. Diz a verdade:

    quando sais do teu mundo o mundo não volta a ganhar cor, movimento e novos sons? :)


    Ao ler-te foi impossivel não retroceder no meu tempo e recordar todas as conversas cruzadas que apanhei ao viajar sózinha duarnte uns dias...

    Eram as conversas sobre o preço da batata, sobre transferencias bancárias, sobre subsidios de desemprego, sobre vidas e vaidades...

    Sair de nós, nemque seja para pousar no gel de um rapaz com cinto D&G faz-nos sem dúvida bem :))


    Vou continuar a lar-te por aqui abaixo, tentando pôr a leitura em dia...

    ResponderEliminar
  33. Isso aconteceu mesmo?! És muito observador,a mim provavelmente essa cena ia-me passar toda ao lado! E está tudo muito bem descrito, quase que senti que estava lá!
    Ah e adorei a parte das raparigas parecerem que descobriram que existe mais para além de morangos com açúcar, MSN e HI5!

    ResponderEliminar
  34. Nao se escrevem cartas assim. Vou acompanhar este blogue porque tambem se da a conhecer nas suas fragilidades. parabens e obrigado.

    Abraço

    Daniel

    ResponderEliminar
  35. Agora abriu! O comentário deste texto encontra-se no post anterior.Sorry

    ResponderEliminar
  36. Desencontros sempre acontecem! Alguns irritam profundamente, mas...
    ...
    ...
    Lindo Blog! Amei o que li hoje aqui

    ResponderEliminar
  37. Está um bom tempo sumido pessoa L Malloy, espero que esteja bem.

    Fique com Deus, pessoa.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  38. oi, malloy!!

    estou neste novo espaço,
    substituindo o blog Tecnenfermaginando,
    espero sua visita.

    ps: sem alardes,
    estou anônima por lá!

    abç-te

    .

    ResponderEliminar